fbpx Skip to main content
Blog

Meu filho está desnutrido? Entenda sobre a desnutrição infantil!

By março 29, 2022abril 18th, 2022No Comments

A desnutrição infantil é um problema que atinge o mundo inteiro, sobretudo países em desenvolvimento. Neles, a condição está associada a 56% de mortes nos pequenos abaixo de 5 anos

Já no Brasil, observa-se uma evolução ao longo do tempo. Em apenas 14 anos, entre 1975 e 1989, houve uma redução de 60% de quadros de desnutrição. Tudo isso ocorreu graças às políticas públicas em saúde.

Contudo, isso não aconteceu de maneira uniforme em todo o território. Nas regiões Norte e Nordeste, por exemplo, os avanços foram discretos, principalmente por menores investimentos. Continue a leitura!

Saiba o que é a desnutrição infantil

Antes de mais nada, embora a grande origem da desnutrição esteja na pobreza, essa não é a única causa. Na verdade, é uma condição multifatorial, de modo que até fatores associados ao parto podem interferir de certa forma.

Entretanto, retrata que o corpo não recebe nutrientes suficientes para manter o metabolismo basal e fisiológico. Sendo assim, o consumo ou absorção comprometida podem ser motivados pela fome ou por doenças.

Desde já, vale lembrar que os primeiros mil dias são determinantes para crescimento e desenvolvimento. Nessa perspectiva, não falamos apenas do ganho de peso e altura, mas também da maturação do sistema imune ou dos ganhos cognitivos, por exemplo.

É por isso que a falta de calorias e proteínas é assunto sério, que deve ser logo identificado e, muitas vezes, requer tratamento hospitalar. Já o tratamento em casa vai depender da realidade de cada família e do grau da desnutrição.

Conheça alguns fatores de risco

Apesar de a fome e a pobreza serem os grandes alicerces da desnutrição infantil, existem importantes fatores de risco para a doença. O primeiro, que une ambos os aspectos, é o baixo nível socioeconômico.

Existem, ainda, outros fatores associados a isso. Nesse sentido, um deles é a baixa escolaridade e o outro é a falta de saneamento básico. De modo geral, caracterizam um perfil social, o qual necessita de melhores políticas públicas.

Porém, a gestação e o parto podem aumentar o risco. Estamos falando das crianças que nascem com baixo peso, ou seja, menos de 2500 gramas. Nos primeiros meses de vida, é preciso investigar se a origem disso foi a baixa ingestão alimentar ou alguma outra condição de base.

Por último, um vínculo fraco entre mãe e baby também pode ser prejudicial. Neste caso, diversos fatores estão envolvidos, como insegurança, sentimentos ambíguos sobre a maternidade e até mesmo abandono do aleitamento materno.

Descubra quais os riscos da condição

Que a desnutrição infantil compromete o crescimento e desenvolvimento dos pequenos você já sabe. Agora, vamos entender melhor como isso acontece!

Deficiência de nutrientes

Ferro, vitamina A, vitamina D, zinco, cálcio… são apenas alguns nutrientes essenciais para os primeiros meses do baby. Alguns deles podem ser obtidos por meio de suplementação, porém, no geral, a principal fonte é por meio da dieta.

De fato, o leite materno contém tudo aquilo que a criança precisa durante os primeiros 6 meses de vida. Em seguida, deve ser adquirido por meio da alimentação complementar. Sendo assim, o consumo inadequado pode resultar em carência nutricional.

Predisposição para infecções

A desnutrição infantil pode, ainda, aumentar consideravelmente o risco de infecções. Assim sendo, reduz a resistência aos microrganismos e torna os pequenos mais susceptíveis a desenvolverem doenças.

Além disso, a desnutrição acentua tanto a duração como também a gravidade do caso. Portanto, a própria infecção vai reduzir o aporte de nutrientes, seja por diminuir o apetite, seja por aumentar o catabolismo.

Em outras palavras, torna-se um ciclo vicioso onde uma condição agrava a outra. 

Desenvolvimento comprometido

Por último, a criança precisa de energia para crescer. Portanto, sem a nutrição adequada, o crescimento e o desenvolvimento ficam comprometidos. O risco é ainda maior caso a condição se torne crônica, a ponto de poder levar ao óbito.

Agora, vale a pena chamar a atenção para casos leves de desnutrição infantil. Isso porque uma simples interrupção no aleitamento ou mesmo a alimentação complementar inadequada podem iniciar os prejuízos no desenvolvimento.

Veja como deve ser a alimentação da criança

Agora que você sabe os riscos da desnutrição infantil, chega de falar dos problemas e vamos para as soluções!

  1. Aleitamento materno

Em primeiro lugar, memorize a seguinte frase: nos primeiros 6 meses, basta aleitamento materno exclusivo e em livre demanda. Isso quer dizer que o alimento possui todos os nutrientes que a criança precisa, sem necessidade de nada além.

Porém, ressalta-se alguns pontos:

  • não cessar a mamada enquanto a criança não se mostrar satisfeita;
  • a partir de 6 meses, a criança carece de alimentação complementar;
  • acompanhar sempre o crescimento com um pediatra.

Assim, caso a frequência e quantidade estejam sendo insuficientes ou a criança não tolere bem, é preciso entrar com fórmulas. No mais, é ideal manter o aleitamento desde a sala de parto até os 2 anos

  1. Alimentação complementar

Agora, chegou a hora de montar o cardápio dos pequenos que têm mais de 6 meses de vida. Agora, o leite materno deixa de ser exclusivo e passa a ser complementado por outros alimentos saudáveis.

Então, logo no início da adaptação, aposte nas frutinhas amassadas ou raspadas, para não ter risco de engasgo. Ainda no início, vale a pena iniciar a papa principal, que deve ser composta por:

  • cereais;
  • tubérculos;
  • proteínas vegetais e animais;
  • hortaliças;
  • leguminosas.

Dica importante: nada de sal no tempero! Prepare apenas com salsinha, cebolinha, alecrim e outras iguarias naturais. Já a refeição da família deve ser introduzida aos poucos, ajustando a consistência de acordo com a idade.

  1. Suplementação de nutrientes

Por fim, mesmo que a alimentação dos pequenos seja adequada, existem alguns nutrientes cuja suplementação é essencial. Como exemplo, temos o ferro e a vitamina D. Nessa perspectiva, é importante realizar acompanhamento médico para prescrição.

Já outros nutrientes devem ser obtidos exclusivamente pela alimentação. Detalhe importante: as crianças são bem vulneráveis às deficiências nutricionais, uma vez que estão num processo importante de desenvolvimento. 

Por isso, todo o status nutricional deve ser acompanhado de perto pelos profissionais da saúde, a fim de evitar a desnutrição infantil. Lembre-se que para combater o problema a nível global, é preciso ter incentivo de políticas públicas.

Porém, cada caso é um caso e, diante de qualquer risco, cabe aos profissionais investigarem qual o real motivo para a condição.

Por último, você não vai querer correr o risco com seu filho, certo? Então, veja aqui como deve ser a alimentação complementar!

Referências

Temas de nutrição em pediatria. Sociedade Brasileira de Pediatria. 

Manual de atendimento da criança com desnutrição grave em nível hospitalar. Ministério da Saúde. 

Guia prático de aleitamento materno. Sociedade Brasileira de Pediatria.

Posição da Sociedade Brasileira de Pediatria diante do Guia de Alimentação do Ministério da Saúde. Sociedade Brasileira de Pediatria. Suplementação de nutrientes. Sociedade de Pediatria de São Paulo.