fbpx Skip to main content
Blog

Antropometria infantil: o que ela pode revelar sobre seu bebê?

By setembro 28, 2020No Comments

Se você já folheou a caderneta da criança, certamente percebeu que em algumas páginas existem gráficos de curva, não é mesmo? Eles são muito importantes para acompanhar o crescimento como um todo e representam, em conjunto, a chamada antropometria infantil.

Os gráficos são elaborados de acordo com as características da população local, ou seja, com as características onde a população está inserida. Dessa forma, torna-se visualmente perceptível quando algum parâmetro apresenta determinado desvio dentro desse padrão. Assim, o gráfico é um instrumento essencial para avaliar se o crescimento está dentro do que é esperado.

Mas, afinal, o que se espera do crescimento? Quais fatores poderiam resultar em algum desvio? E quais são as medidas ideais para uma boa avaliação? Tudo isso você vai descobrir ao longo do texto!

 

Crescimento infantil X Antropometria

O desenvolvimento é um processo complexo e que envolve uma série de fatores. Se os pais da criança são baixos, você imagina que no futuro ela terá uma menor estatura, certo? Isso indica como o componente genético pode influenciar.

Mas será que é o único fator envolvido? Neste mesmo exemplo, se a criança tem aporte nutricional deficiente, ou seja, se não come nutrientes necessários, isso poderá lentificar o processo do crescimento ficando ainda menorzinha. Então, vemos que a genética por si só não determina um desfecho, os fatores ambientais também influenciam.

Além dos aspectos citados, o balanço hormonal é determinante para o desenvolvimento. Ainda é importante ressaltar que até mesmo medicamentos que a criança venha a tomar podem influenciar na liberação de hormônios interferindo no crescimento. Esse crescimento é medido por medidas antropométricas, medidas médias da população infantil.

Em suma, estamos falando de um processo multifatorial e que requer atenção, seja antes ou depois do nascimento.

Fase intrauterina 

De forma geral, o crescimento na fase intrauterina é intenso e apresenta variações importantes. A princípio, observamos que ele é mais longitudinal, ou seja, o ganho de estatura é maior. Já no final da gestação, há maior ganho de peso — para fortalecer o baby e prepara-lo para o nascimento!

Fase do lactente 

Após o nascimento, a velocidade de crescimento permanece elevada, porém menor que na vida intrauterina. O primeiro ano de vida é aquele no qual o bebê mais cresce, sobretudo nos 6 primeiros meses. Já nos anos seguintes, o crescimento vai se lentificando gradativamente.

Vale ressaltar que nessa fase os fatores nutricionais e ambientais influenciam mais na curva de crescimento. Porém, por outro lado, os fatores genéticos e hormonais que influenciam menos nesses anos iniciais, ao longo da vida, tornam-se mais relevantes.

Descubra a contribuição da antropometria infantil

Viu só como o crescimento é um processo complexo? Por isso, ele deve ser muito bem acompanhado ao longo do tempo. Para contribuir para essa avaliação longitudinal, foram estabelecidos padrões esperados de acordo com cada população.

Assim, tudo é analisado de forma evolutiva e não apenas por uma situação pontual. Entender isso é bem simples, veja um exemplo de como é feito com a estatura:

  1. Primeiro, o médico identifica quantos meses a criança tem;
  2. Em seguida, faz a medição da altura dela;
  3. No gráfico de Altura x Meses, coloca um ponto no local adequado;
  4. Por fim, traça uma reta entre a medida daquele dia e a da consulta anterior.

Simples, não é mesmo? São métodos práticos, não invasivos e muito seguros, com grande sensibilidade para reconhecer um distúrbio caso haja algum desvio do que é esperado. E vale lembrar que o problema pode ser na saúde em si ou no aporte nutricional.

Por fim, como as avaliações são feitas ao longo do tempo, caso haja algum problema a curto prazo, os exames complementares podem ser determinantes. De qualquer forma, em cada consulta o profissional vai indicar a melhor conduta para o momento.

Saiba como os resultados são interpretados 

Lembra que falamos da necessidade de traçar uma reta entre a medida mais recente e a anterior? Pois é, o traçado em questão pode indicar muita coisa ao pediatra:

  • se ascendente, subindo, indica crescimento;
  • quando horizontal, mostra que estagnou;
  • e, se descendente, descendo, houve declínio no desenvolvimento.

Além disso, é preciso analisar qual o percentil daquela medida. Mas afinal, o que é percentil? Para entender melhor, veja o gráfico abaixo como um todo e, em seguida, a ampliação da área de interesse.

se as medidas estão entre os percentis 25 e 75. Essa faixa estabelecida é aquela que compreende os valores ideais ou padrão. Mas o que significa isso? O percentil 25 indica que até 25% da população com desenvolvimento normal tem estatura inferior ao da maioria da população.

Por fim, ainda é possível realizar a interpretação por meio do Escore-Z. Essa análise indica o desvio-padrão, ou seja, o quanto a criança se afasta ou aproxima da linha mediana, do que é esperado. Neste caso, é identificado então a diferença ou não da criança em relação ao padrão da sociedade em que ela está inserida. Exemplo, a altura de um menino de 12 meses no Brasil.

Veja abaixo um exemplo extraído da caderneta da criança masculina:

Conheça os parâmetros avaliados 

A antropometria infantil avalia os seguinte parâmetros: peso, altura e perímetros cefálico, torácico e abdominal. Na caderneta, existe um gráfico apenas para o cefálico, mas há um outro espaço reservado para registrar os demais perímetros.

Além das medidas em si, existem dois cuidados para fazer uma análise adequada: a idade exata em meses e o sexo da criança. O motivo disso é que o padrão observado em meninos nem sempre é o mesmo que em meninas.

Nós vimos também que é muito simples fazer a medida, mas alguns cuidados são necessários:

  • a criança não deve estar inquieta no momento de obter os valores;
  • os instrumentos devem ser devidamente posicionados de acordo com o que é preconizado pela técnica;
  • além do posicionamento, devem estar bem calibrados para serem precisos.

Por fim, é importante informar toda a história da criança, até mesmo na vida intrauterina. Isso porque as intercorrências na gestação ou durante o parto podem comprometer o desenvolvimento após o nascimento. Algumas condições, como icterícia prolongada ou traumatismo craniano podem influenciar no metabolismo e prejudicar o crescimento.

De maneira geral, deu pra entender direitinho o que é a antropometria infantil? Podemos resumir como a padronização das medidas da crianças. Ela é importante pela capacidade de indicar precocemente se há algum distúrbio no crescimento. Ressaltamos que o desvio podem aparecer antes mesmo dos sintomas clínicos, mas que nem sempre indica alguma doença de fato. O importante é ser um instrumento de análise sensível e capaz de direcionar para cuidados mais específicos os casos necessários.

Que tal mostrar para outros pais como a antropometria é importante? Compartilhe o post nas sua redes sociais!

Noeh, tecnologias para cuidar da vida!

Espero que tenham gostado! Se tiver dúvida é só perguntar!

Um abraço apertado, com carinho da Noeh

 

Referências:

Caderneta de Saúde da Criança. Biblioteca Virtual em Saúde.

Avaliação Nutricional da Criança e do Adolescente. Sociedade Brasileira de Pediatria.

Avaliação antropométrica de crianças e adolescentes nas curvas de crescimento: uma revisão da literatura. Revista UNILUS Ensino e Pesquisa.