fbpx Skip to main content
Blog

Coisas de bebê: o andar na areia

Como mãe, uma das coisas de bebê que eu mais incentivei foram as atividades ao ar livre, principalmente o andar descalço na areia. Mas, quais são os benefícios dessa caminhada na areia?  Por que meu bebê fica tão cansado após essa exposição? Isso é bom para seu desenvolvimento motor? Como?  Não seria melhor e mais confortável deixar o pé do meu bebê andar num lugar plano e limpinho?

Muito prazer, sou a Liria, diretora de Pesquisa da Anamê e vamos juntos conversar sobre os bebês nos seus primeiros mil dias.

Mundo Natural: pé e areia

Antes de mais nada, só de pensar na areia e o pé do seu bebê já te dá arrepios? Deixar o bebê brincando na areia deixa muitos pais com o cabelo em pé! Além da sujeira, a areia coça, tem que tomar cuidados com os olhos e a principal “etiqueta” do tanque de areia: não jogar no coleguinha. Além do medo de contaminação por micoses e viroses…..

No mundo natural, filhotes de todas as espécies caminham facilmente entre vários tipos de terrenos. Terrenos naturais tem muitas propriedades mecânicas que influenciam a caminhada.  Do mesmo modo, o pé dos nossos bebês precisam se ajustar constantemente a diferentes terrenos que amortecem, ajustam e suavizam a marcha.  Terrenos com substratos macios como a areia tem efeitos profundos da mecânica e energética da locomoção.

Os estudos de marcha de bebê

A marcha humana é muito estudada em laboratórios de análises de movimento 3D trazendo inúmeras informações sobre este nosso método de locomoção. A mecânica desse movimento e a energia que é despendida durante a marcha é um tema muito descrito mas, que na sua maioria é estudada em superfícies duras, niveladas e não derrapantes, que não simulam em nada o que acontece na natureza (Adoplh et al, 2013). Se quiser saber um pouco mais sobre as fases que compõem a marcha humana, falamos dela aqui.

Apesar de ser de senso comum que andar na areia é bom, parece que ninguém sabe exatamente o porquê.  Estudos científicos descrevem que há um maior gasto de energia quando caminhamos na areia. Será que isso é bom?

O gasto energético da marcha

Estudos sobre a energia do movimento humano são importantes para entender o trabalho  que é feito pelo corpo humano para que ele possa se movimentar. Para que possamos ir de um lugar para outro, o corpo queima energia, como uma máquina.  Nós humanos, tendemos a selecionar uma velocidade de preferência de caminhada. Por exemplo, você pode observar na rua, cada um tem a sua velocidade, uns mais rápidos outros menos. Essa velocidade é um fatores  que minimiza esse custo de transporte. E não adianta andar mais lentamente, isso também gera um custo energético grande!

Em sujeitos saudáveis, numa velocidade auto selecionada, o custo do transporte é em torno de 0,8 calorias/metros/kg (Zarrugh et al, 1974). Nas crianças entre 3-4 anos de idade, há um aumento em torno de 50% desse gasto. Em velocidades maiores, onde o custo energético da marcha é maior, crianças dessa idade chegam a ter um consumo até de 70% maior que um adulto. E olha que estamos falando de estudos são feitos com a marcha em linha reta, o que não acontece quando falamos de crianças/bebês.

O gasto energético do andar na areia

Do mesmo modo, gastamos mais energia quando caminhamos na areia do que quando caminhamos num chão reto como das nossas casas. O aumento de esforços necessários durante a marcha em superfícies macias como a areia é devido a um trabalho  músculotendíneo maior que deve ser feito. O sistema locomotor é capaz de manter e economizar a energia pela marcha continua com o movimento pendular, no qual 60- 70% da energia mecânica do centro de massa do corpo pode ser resgatado por meio do mecanismo de troca de energia potencial/cinética numa velocidade ótima (você pode ler um pouco mais sobre isso aqui).

De qualquer forma, o custo metabólico de andar na areia é aumentado como consequência principal do resultado do trabalho feito num solo instável e pelo pé no solo. Isso indica que os mecanismos que utilizamos para conservar energia durante a marcha no solo rígido não acontecem em solos mais macios como na areia e/ou que os músculos, nessa atividade, atuam de forma diferente nesse tipo de solo, sendo que seu trabalho é muito maior uma vez que o pé trabalha no substrato.

Diferenças de andar na areia e no solo estável para o pé do bebê

Durante a marcha em superfícies rígidas, pouco do trabalho é feito pelo ambiente. A força de reação do solo, seguindo a terceira lei de Newton, é a força que surge quando o nosso corpo exerce uma força sobre o solo. Em determinada fase da marcha ( e, nas suas fases subsequentes), a energia dessa força  é absorvida pelos músculos e tendões. Parte da energia elástica absorvida pode ser reutilizada para produção de força no próximo passo, aumentando a eficiência geral, considerada a eficiência máxima de conversão de energia além da química em mecânica pelos músculos.

Entretanto, a  locomoção em superfícies dinâmicas como a areia, significa que há trabalho feito pelo ambiente, ou seja, o substrato absorve energia, o que representa perda de energia pelo corpo. Então essa energia deve ser substituída em cada passo por uma maior atividade pelos músculos e há queda da eficiência “perfeita”.

Estudos indicam que esse gasto energético se dá pelo aumento de força e resistência muscular além de resistência cardiopulmonar.  Um importante aspecto desses estudos é que um aumento da força muscular afeta diretamente na qualidade da marcha (Einsgber et al, 2006).

Bebês em torno de 1 a 3 anos de idade, que estão começando a caminhar, quando andam em solos instáveis como a areia, são desafiadas o tempo todo e, aprendem várias formas de lidar com essas diferenças. Aumentando seu repertório de movimento e ajudando a aprender a caminhar melhor. Calçados biomiméticos, ou seja, calçados com um design baseado na natureza podem fornecer os benefícios da caminhada na natureza, que são muitos…. para o seu bebê urbano.

Achou esse artigo útil? Poste nas suas redes sociais, ele pode ser útil para outros pais também!

Anamê, tecnologias para cuidar da vida!

Espero que tenham gostado! Se tiver dúvida é só perguntar que iremos te responder!

Um abraço apertado, com carinho da Liria da Anamê

Dra. Liria Okai-Nóbrega. Pesquisadora, Doutora em neurociências e pós doutora em ciências da Reabilitação.