fbpx Skip to main content
Blog

Icterícia neonatal: quando se preocupar com o amarelão?

By fevereiro 22, 2022março 25th, 2022No Comments

Quem nunca ouviu falar sobre o amarelão? Para os desavisados, pode ser muito assustador se deparar com um baby dessa cor. Calma! Isso tende a ser um processo fisiológico, comum nos primeiros dias de vida e chamado icterícia neonatal.

Se pararmos para pensar na evolução natural do quadro, ela tende a ser benigna. Assim, em poucos dias tudo estará bem novamente. Detalhe importante: isso vale apenas para o quadro neonatal, certo? Nos adultos, o quadro merece investigação.

Porém, isso não quer dizer que os babies não precisam ser avaliados. Na verdade, é recomendado consultar com um profissional, a fim de avaliar critérios de gravidade e se realmente é fisiológica. Continue a leitura!

 

Veja por que ocorre a icterícia

Antes de tudo, vamos entender o motivo do amarelão. Os glóbulos vermelhos, ou hemácias, presentes no sangue apresentam um “prazo de validade”. Isso quer dizer que periodicamente são degradados e formados novos.

Em média, esse prazo é de 120 dias. Porém, nos recém-nascidos isso ocorre ainda mais rápido, já que passam por uma troca intensa de hemoglobina fetal para habitual após o nascimento.

Portanto, a quebra das hemácias libera uma substância chamada bilirrubina indireta. Como ela é muito lipofílica, ela precisa ser carregada no sangue junto com outra proteína: a albumina. Juntas, elas seguem até o fígado onde será transformada em bilirrubina direta.

O grande detalhe é: a bilirrubina tem um pigmento amarelado. Logo, quando a quebra de hemácias está intensa e o baby apresenta hiperbilirrubinemia (aumento das bilirrubinas), elas tendem a se depositar na pele.

Assim, quem vê de fora percebe o famoso amarelão característico da icterícia neonatal. Lembre-se: nos babies isso é comum! Porém, não é esperado nos adultos, o que requer uma investigação mais cautelosa.

 

Entenda os critérios da icterícia neonatal ou amarelão

Em primeiro lugar, já vimos que é um processo comum nos recém-nascidos. Vale destacar, ainda, que nem sempre isso será visível. Geralmente, só percebemos a alteração de cor com níveis séricos de bilirrubinas acima de 5 mg/dL.

Porém, existem alguns detalhes que podem sugerir uma icterícia de causa não fisiológica. O primeiro deles é o tempo de instauração. No geral, a icterícia neonatal ocorre após 24 horas de vida, com pico em torno do 3º ao 5º dia.

Por outro lado, se o quadro iniciar antes de completar as primeiras 24 horas, quer dizer que há uma quebra importante de hemácias. Nestes casos, é preciso avaliar outros parâmetros e buscar causas distintas.

Entretanto, outro detalhe que sugere maior gravidade é o aumento da bilirrubina. Se aumentar mais de 0,5 mg/dL em 1 hora, quer dizer que o quadro está se instalando rapidamente. Mais um detalhe para o pediatra ficar atento!

Por isso, é importante ressaltar que nos prematuros o pico costuma ser entre o 5º e o 7º dia. E não é algo raro! A icterícia neonatal acontece em cerca de 80% dos prematuros e 60% dos nascidos a termo.

 

Veja como é feito o diagnóstico

Parece muito simples diagnosticar a icterícia neonatal, certo? De fato, a partir do momento que o amarelão está visível, fica mais fácil dar os próximos passos.

O primeiro deles é graduar a condição. Para os pais, é importante saber que a condição evolui da cabeça para os pezinhos. Logo, existem as chamadas Zonas de Kramer, que auxiliam a mensurar os níveis séricos de bilirrubinas.

Então, se o amarelão se limita à cabeça, quer dizer que está na zona 1. Isso sugere níveis mais baixos do pigmento. Já o nível 5 é o mais avançado, quando as extremidades (mãos e pés) também ficam amarelos.

Nesse sentido, quando classificado de acordo com as zonas de Kramer, é importante fazer a mensuração da bilirrubina transcutânea. É um método simples e não invasivo, que atua como uma triagem para saber quais babies vão precisar dosar a bilirrubina sérica.

Por fim, o passo seguinte é dosar a bilirrubina sérica. O valor de referência é de até 1,5 mg/dL. Já vimos que o amarelão costuma surgir a partir de 5. Geralmente, não atinge níveis superiores à 12 e, caso atinja, é preciso investigar outras causas.

Saiba se há tratamento para a icterícia neonatal ou amarelão

Constantemente, considerando que o quadro de icterícia neonatal é fisiológico, ele tende a se resolver em 1 semana. Logo, em casos mais simples, não são necessárias medidas extras de tratamento. Porém, em níveis mais altos de bilirrubinas, podemos adotar algumas medidas.

Portanto, a partir da zona 3 de Kramer, quando atinge a barriguinha e vai até os joelhos, já é indicada a fototerapia. Ela deve ser feita ainda na primeira semana de amarelão. Vale ressaltar que quanto menor o peso do baby, mais precoce é indicada.

Outro tipo de tratamento é a chamada exsanguineotransfusão. Neste caso, faz uma transfusão importante, que praticamente troca o sangue do baby. Ela é indicada em casos mais graves, quando já há risco de neurotoxicidade.

Geralmente, os principais candidatos são os babies prematuros e aqueles com menos de 1500g. Assim, remove até 40% da bilirrubina e interrompe a hemólise.

 

Descubra quando se preocupar com a icterícia neonatal ou amarelão 

Agora que você sabe tudo sobre icterícia neonatal, vamos relembrar alguns aspectos que vão ativar seu alerta. 

Em primeiro lugar, é o tempo de instauração. Já sabe, né? Antes de 24 horas de vida do baby tende a ser outra causa senão a fisiológica. Além disso, fique atento com quadros que evoluem rapidamente. Isso sugere uma quebra acelerada de hemácias.

Assim como o início precoce chama a atenção, quadros que não se resolvem em até 1 semana também requerem atenção. Dessa forma, é interessante avaliar se não há uma condição associada agravando a lise de células.

Por último, é fundamental que os pais se atentem com o comportamento do baby. Isso porque nos quadros mais graves a bilirrubina atinge o sistema nervoso central, o que pode deixar sequelas permanentes. Então, procure um médico se o baby:

  • ficar mais prostrado;
  • perder força muscular;
  • ter dificuldade na sucção do leite.

Para concluir, devemos reforçar que a icterícia neonatal tem tudo para ser um quadro natural e indolente para o baby. Contudo, alguns detalhes importantes devem ser observados pelos pais e pelos médicos a fim saber quando dar um passo além. No geral, em 1 semana tudo estará normal para o pequeno, sem maiores complicações. Mas nunca é demais garantir a tranquilidade de que não é nada mais grave. Por isso, procure sempre um pediatra!

Achou importante saber sobre isso? Acompanhe nossas redes sociais e não perca nenhum conteúdo sobre a saúde do baby! Estamos no Instagram e Facebook!

 

Referências

Icterícia no recém-nascido com idade gestacional ≥ 35 semanas. Sociedade Brasileira de Pediatria. Departamento de Neonatologia.

Resumo: icterícia neonatal | Ligas. Sanar.