fbpx Skip to main content
Blog

Puerpério psicológico: emoções da nova mãe!

By setembro 30, 2020outubro 3rd, 2020One Comment

Ao longo dos nove meses de gestação a mulher sofre várias alterações fisiológicas no corpo e mente. E é no período pós-parto, que muitas vezes as alterações de cunho emocional tem maior evidência. Essa etapa pós-parto se dá o nome de puerpério.

O puerpério é o período que a mulher se recupera das transformações do corpo causadas pela gravidez do ponto de vista obstétrico. É considerado o intervalo entre o parto e a volta do corpo da mulher próximo ao corpo anterior à gestação, no qual os órgãos modificados durante a gestação e o parto sofrem um processo de retorno às condições normais. Linhas científicas acreditam que esse momento se dá logo após a expulsão da placenta e dura até aproximadamente seis a oito semanas. Os estágios desse pós-parto são classificados como puerpério imediato (1º ao 10º dia), tardio (11º ao 45° dia) e remoto (após 45º dia). Porém, outras linhas acreditam que esse período pode se estender até 1 ano.

Nesse momento, a puérpera, a mãe recente, se depara com várias mudanças, a começar pelo stress pós-parto, mudanças na rotina, privação do sono, atividades cotidianas e até perda da autonomia, que se revela sobre a atenção voltada ao recém-nascido. Eu Luiza Francynara, especialista em cuidado materno infantil e vou e guiar por esse assunto!

mãe amamentando, puerpério

Puerpério Psicológico

Se parássemos para pensar que o período da gravidez é estabelecido ao longo de nove meses, e é, em média, em torno de dois meses pós-parto o corpo geralmente já volta ao seu aspecto fisiológico normal, seria injusto que em tão pouco tempo a mulher se adaptasse a essa nova rotina emocional. É então que chamamos esse tempo maior de “Puerpério psicológico”. É uma mudança brusca de hormônios durante e depois da gravidez que exige um tempo de adaptação.

Não tem tempo cronológico definido, trata-se do tempo que a mulher necessita para que se identificar nos seus diferentes papéis na sociedade, conectada com esse seu novo “eu”. De acordo com a pratica clínica, esse tempo pode estender  de 2 a 3 anos, em média.

Esses primeiros anos de vida da criança são vividos com uma intensidade de sentimentos e desafios que podem inclusive fazer surgir situações adversas no aspecto psicológico dessa nova mãe. Diante disso faz-se necessário o suporte para que essa puérpera supere esses desafios.

Transtornos psicológicos do período pós-parto. 

Já se sabe que não é um momento fácil para a mãe. O período do puerpério traz consigo vários anseios, mudanças de humor, conflitos, inseguranças, desconfortos, cansaço, e também o medo dos transtornos psicológicos. A depressão pós-parto (DPP), a tristeza puerperal que chamamos de “Baby Blues”, Transtorno de estresse pós-traumático (TEPT) e perturbação na amamentação, são alguns transtornos psíquicos que a mãe pode enfrentar. É importante, no entanto saber que alguns sentimentos são completamente naturais. Estar atento as diferenças auxiliará quando for necessário a busca por ajuda profissional.

O chamado Baby Blues

O blues puerperal é muito comum entre as mulheres. No pós-parto é caracterizado por uma labilidade emocional: instabilidade emocional, tristeza, euforia, irritabilidade, choro fácil, senso exagerado de empatia, sensação de estranheza, são alguns dos sintomas. 

Inicia-se na primeira semana pós-parto e tem um pico entre o quarto e quinto dia, com duração de até duas semanas. A conduta se dá através da tranquilização materna e familiar. Entender que é um processo normal e relacionado aos fatores hormonais e de adaptação do momento. É então importante o apoio familiar para que esse sentimento se reestruture e não evolua.

Apesar de essa labilidade emocional ser normal, e não ser indicativo de tratamento farmacológico, o aconselhamento com profissionais capacitados apoiam mãe e a família nesse processo facilitando o entendimento e prevenindo a evolução para outros transtornos psíquicos.

Depressão pós-parto (DPP)

È a mais frequente complicação emocional materna. Trata-se de um quadro clínico, agudo, que requer acompanhamento e diagnóstico por médico psiquiatra, acompanhado com psicoterapia e em casos graves pode ser indicado a abordagem farmacológica. É mais suscetível a mulheres que já possuem um quadro de transtornos psíquicos anteriores.

O início se dá entre na terceira semana pós-parto e o terceiro mês, mas pode se manifestar ao longo do primeiro ano de vida do bebê. É caracterizado por uma tristeza constante, apatia, sensação de desprazer e possui uma interferência do vínculo entre mãe e bebê, podendo até ser risco para o desmame precoce.

Transtorno de estresse pós-traumático 

O TEPT ocorre geralmente em mães que passaram por alguma situação de tensão durante o parto e pós-parto. Violência obstétrica ou situações em que o bebê requer internação na UTI são as causas mais comuns desse transtorno. Os sentimentos são caracterizados por medo intenso, desamparo, perda de controle e horror. 

É passível de que essa mulher tenha um acompanhamento multidisciplinar e familiar. O não reconhecimento desse estado pode evoluir em depressão e transtornos de ansiedade.

Perturbação na amamentação

Trata-se de um sentimento exaustivo e complexo, que ocorre enquanto a mãe amamenta, podendo ser favorável ao desmame precoce e abrupto.

É mais comum entre as mães que amamentam dois filhos de idades diferentes (amamentação em tandem), gestantes que amamentam, ou amamentações prolongadas. Os sintomas aparecem das mais variadas formas enquanto a mãe amamenta, como formigamento, coceira por todo corpo, angustia, vontade de chorar, raiva, sentimentos dos quais são difíceis de explicar.

mãe amamentando. Nenem e mae de cabelo trançado

Quando buscar ajuda no puerpério?

Ao sinal de confusão de sentimentos persistentes, desamor, e vínculo mãe e bebê prejudicado, o profissional de saúde deve ser comunicado. A percepção muitas vezes parte da rede de apoio familiar, uma vez que a mulher passa por um período em que ela mesma não sabe explicar o que sente. Neste caso aconselha-se um acompanhamento profissional.

Os benefícios do acompanhamento psicoterapêutico são:

  • Fortalecimento do vínculo mãe e bebê;
  • Diminuição das chances de desmame precoce;
  • Aumento da qualidade de vida;
  • Possibilidades de transtornos psíquicos prolongados diminuídos.

Apoio familiar é imprescindível!

Diante de tanta confusão de sentimentos, reconhecer as alterações psíquicas da mãe no puerpério é importante para a manutenção da qualidade de vida dessa mulher. A família, sendo as pessoas mais próximas, podem ser essencial na observação de quando os sentimentos confusos desse período fogem do comum. Perceber esses sentimentos e apoiar a nova mãe pode ser crucial para o diagnóstico e tratamento quando necessário. 

pai com recem nascido no colo

A grávida e a puérpera, recebem bombas distintas de hormônios que precisam de tempo para se equilibrar. Por isso, é muito importante que cuidemos das mães enquanto elas cuidam dos novos babies. Assim, todos saem ganhando!

Noeh, tecnologias para cuidar da vida!

Espero que tenham gostado! Se tiver dúvida é só perguntar que iremos te responder!

Um abraço apertado, com carinho da Noeh

Texto escrito pela enfermeira Luiza Francynara em parceria com a Noeh. Luiza é mãe da Lelê e especialista em cuidado materno infantil. Atende no Rio de Janeiro. Para encontrar a Luiza:

Instagram: @luizafrancynara ______Telefone: (21) 96542.7326 ______e-mail: luizafrancynara@gmail.com

 

Referencias

https://www.scielo.br/pdf/rpc/v37n6/a06v37n6.pdf

https://www.scielo.br/pdf/jbpsiq/v58n4/a06v58n4.pdf

http://www.revistanursing.com.br/revistas/259/pg78.pdf

https://docs.google.com/viewerng/viewer?url=http://revista.cofen.gov.br/index.php/enfermagem/article/viewFile/2455/584

Tratado do especialista em cuidado materno infantil – Tatiana Vargas, Belo Horizonte: Mame Bem, 2019, pgs 76-89.