fbpx Skip to main content
Blog

Por que é importante vacinar o bebê?

By dezembro 14, 2019janeiro 20th, 20203 Comments

Você sabe por que é importante vacinar o bebê? Quais as consequências da falta de vacinação? Descubra a seguir o porquê é importante vacinar o bebê e as consequências da não vacinação em bebês. Se você costuma acompanhar jornais e ler notícias na internet com certeza deve estar por dentro do número crescente de casos de sarampo no Brasil. Devido a isso, a pauta sobre a importância da vacina, sobretudo em bebês, tem sido amplamente discutida principalmente pela volta de doenças antes controladas e também pelo crescente movimento antivacinas.

As vacinas oferecem risco à saúde?

O mecanismo central da vacina consiste em aplicar no organismo uma versão inofensiva de determinado agente contaminante, para que os anticorpos “aprendam a lidar com ele”. Dessa forma, numa eventual contaminação, o sistema de defesa já está pronto para entrar em modo de combate a fim de impedir que a doença seja ativada. 

É como deixar uma criança aprender a nadar em uma piscina rasa, inofensiva, para que ao encarar uma piscina funda, realmente perigosa, ela saiba o que fazer. Nesse caso, a piscina rasa é a vacina.

 

Em outras palavras, as vacinas não oferecem risco à saúde e são fundamentais para o desenvolvimento saudável do bebê. Por isso, sabendo do porquê é importante vacinar o bebê, é papel dos pais e responsáveis providenciar para que todas as vacinas sejam aplicadas de acordo com o calendário de vacinação distribuído pelo Ministério da Saúde

A vacina é suficiente para produzir anticorpos?

As vacinas são feitas de vírus ou bactérias enfraquecidos, mortos ou fragmentados com objetivo de estimular o organismo a produzir anticorpos para combater um corpo estranho sem contrair a doença. Sendo assim, funciona para que nosso corpo reconheça os vírus e bactérias como “invasores” e não deixem eles proliferarem. Como já produzimos anticorpos por ter tomado a vacina, quando um vírus ou bactéria conhecido pelo nosso sistema imunológico entra em contato com nosso corpo já estamos fortes e protegidos e esse corpo estranho não nos atinge. Exemplos comuns são as vacinas da gripe, poliomielite e várias outras. 

A vacina então é como um treinador de exércitos. Imagine que estamos em uma guerra. Mas, fomos preparados para lutar e temos força e ferramenta para ganhar. Do outro lado, tem um grupo que não se preparou para lutar e não tem ferramentas, quem vai ganhar? Nesse exemplo, o time preparado tomou vacina, o time despreparado não, e os vírus pegarão as duas equipes. A equipe preparada tem chances muito maiores de sair ilesa não é mesmo?

As substâncias que existem na vacina podem fazer mal?

Há, mas e as substâncias que são acrescentadas as vacinas? Elas não fazem mal? Não não. Embora só o bichinho morto ou enfraquecido seja o suficiente para combater o vírus ou bactéria ativo, forte, na maioria dos casos, existem situações em que é necessário adicionar a ele substâncias capazes de otimizar a funcionalidade da vacina, aumentando a resposta imune do organismo. É o caso, por exemplo, do esqualeno ou do composto de alumínio.  

Vale lembrar que a quantidade desse composto de alumínio é extremamente baixa e segura para o corpo humano. Para se ter ideia, a quantidade desse composto de alumínio presente em algumas vacinas é menor do que a encontrada no leite materno e nas fórmulas de bebê. Ou seja, não há nenhum risco à saúde nem de adultos e nem de bebês. Já o esqualeno é um óleo produzido pelo próprio corpo humano e que possui propriedades hidratantes para a pele, portanto, também não faz mal algum.

Existe alguma relação entre a vacinação e o autismo?

A resposta é simples: não. Existem diversas evidências científicas capazes de provar que não há qualquer ligação entre autismo e vacinação. 

Todo o boato em volta dessa falsa afirmação surgiu em 1998, por meio de um suposto estudo publicado pelo médico Andrew Wakefield. Depois de todo o rebuliço causado pelas afirmações do ex-médico, especialistas investigaram a fundo os dados citados em sua pesquisa e constataram que boa parte deles eram falsos. Tanto é que, depois de desmentido, Andrew se retratou das afirmações feitas, mas ainda assim perdeu a sua licença profissional e não pode mais atuar como médico desde então.

Contudo, mesmo mais de 20 anos depois, há quem ainda acredite nessa história e continue espalhando esse tipo de informação. O que colabora para que o número de pessoas que não estão devidamente imunizadas, cresça cada vez mais, colocando em risco a saúde pública.

médica segurando bebê

Médica segurando um bebê de colo

Quais são os perigos da ausência das vacinas?

Pergunte a um grupo de pessoas quantas delas já teve ou conhece alguém que teve pólio ou varíola, por exemplo. Certamente será difícil encontrar uma resposta positiva. Por esse motivo, o papel das vacinas é fundamental no controle de doenças como essas, que no passado, há pouco mais de 50 anos, costumavam ser responsáveis por lotar hospitais inteiros de pacientes contaminados. Outro exemplo é o sarampo, uma doença que em meados dos anos 80 chegou a alcançar o título de segunda causa mais frequente de doença infecciosa em crianças. 

Essas e várias outras doenças tornaram-se quase uma lenda. Afinal, exceto pelo sarampo que voltou à tona recentemente, hoje em dia quase não se houve falar da maioria delas, o motivo é a devida imunização da população.

No entanto, embora os benefícios das vacinas sejam muito claros para a maioria das pessoas, grupos antivacina, ou seja, pessoas contrárias à imunização, nunca estiveram tão ativos. Recentemente incluídos pela Organização Mundial da Saúde (OMS) na lista de dez maiores ameaças à saúde, grupos de pessoas que são contra vacina trabalham para convencer outras sobre a sua filosofia por meio do compartilhamento de notícias falsas e afirmações sem qualquer embasamento científico. 

Ou seja, esse movimento “ameaça reverter o progresso feito no combate às doenças evitáveis por meio de vacinação” e muitos atribuem a ele a recente volta do surto de sarampo no Brasil, por exemplo. Na última semana publicamos em nosso blog uma matéria só sobre os perigos do sarampo e como se proteger da doença.

As vacinas sobrecarregam o sistema imunológico do bebê?

Essa é uma das grandes inverdades compartilhadas principalmente pelos adeptos do movimento antivacina. A resposta é simples e objetiva: não, as vacinas não sobrecarregam o sistema imunológico do bebê.

Diariamente as crianças e bebês são expostos a uma infinidade de germes e substâncias estranhas. Em todos os casos há uma resposta imune do organismo, pois, o corpo humano já é preparado para isso. Para se ter ideia, uma simples gripe ou resfriado exige mais do sistema imunológico do que qualquer vacina. 

Criança brincando dentro de um tubo

Criança brincando dentro de um tubo azul.

Qual é o calendário de vacinas atual?

Agora que você já sabe que é importante vacinar o bebê, a forma mais eficaz de manter o seu filho protegido é seguir à risca o calendário de imunizações disponibilizado pelo Ministério da Saúde. Existem vacinas específicas para bebês até 15 meses, crianças a partir dos 4 anos, adolescentes, adultos, idosos e gestantes. 

Para conferir o calendário atualizado acesse o Calendário Nacional de Vacinação, disponível no site do Ministério da Saúde. 

Gostou de saber mais sobre a importância de vacinar o seu bebê? Se você quiser se aprofundar no assunto, consulte abaixo os sites de referência utilizados como base para a construção deste artigo. 

Agora, conte aqui nos comentários se a sua vacinação e a do seu bebê estão em dia e compartilhe esta matéria com os seus amigos e familiares já que é bastante comum esquecer de consultar a carteirinha de vacinação regularmente. E, não se esqueça: realmente é importante vacinar o bebê! 

 

Noeh, tecnologias para cuidar da vida!

Referências:

EXISTE PERIGO NA VACINA?, Nerdologia por Átila Iamarino – Biólogo, pesquisador e comunicador científico;

Futuro em risco: o perigo de não vacinar as crianças, Saúde Abril

Vacinas causam autismo – Fake News, Ministério da Saúde

Movimento antivacina é incluído na lista de dez maiores ameaças à saúde em 2019​, O Globo

Vacinas: perguntas e respostas, UNICEF